Google+

CUIDADO, A CONTA PODE FICAR ALTÍSSIMA!

Por em junho 3, 2013

por Marcio Braga*

Publicado no jornal O Globo em 03/06/2013

manegarrincha--thiagodiasTodo cuidado é pouco! Em vez de aproveitarem as novas arenas construídas para a Copa do Mundo como fontes de novas receitas, os clubes brasileiros podem acabar pagando uma conta altíssima. O jogo de inauguração da arena de Brasília é emblemático. O Santos tem o mando de campo, o Flamengo tem a torcida e nenhum dos dois fica com o dinheiro.

941416_10201210003037874_311475199_nOutro exemplo é a privatização do Maracanã, cujo edital impede a participação dos clubes de futebol na administração do estádio, que, no fim das contas, é de futebol. Os clubes correm sério risco de sacrificar projetos muito mais rentáveis e adequados às suas necessidades para pagar a conta desse investimento bilionário, pois sãos eles os principais, senão únicos, responsáveis pelo público. Uma boa evidência disso é a situação do Flamengo, que está na Gávea desde 1932 e teve seu estádio ativo até a década de 60, quando cedeu parte de sua área para a Rua Mário Ribeiro e o anel de tráfego da Lagoa, colaborando para facilitar o trânsito entre a Zona Sul e a Barra da Tijuca.

gavea_shoppingEm 2007, o Flamengo tinha todas as autorizações e licenças necessárias para o Programa de Revitalização da Gávea, que incluía a construção de um estádio novo para 30.000 lugares, ampliação das instalações para esportes olímpicos, expansão da sede social e construção do Centro de Excelência de Remo, com garantia de viabilidade econômica sustentável pela integração de um centro de lazer e compras, com lojas, cinemas, restaurantes, espaço para eventos e estacionamento para 1.836 carros, que funcionaria independente dos dias de jogo e, segundo a FGV, geraria mais de 3.000 empregos diretos. Com o apoio das autoridades e de 73% dos moradores da região, conforme pesquisa feita pelo Ibope à época, esta iniciativa revitalizaria o clube e toda área ao seu redor.

Maracana-arquibancadas-serao-multicoloridas-size-620Tudo mudou quando o Governo decidiu privatizar o Maracanã e encomendou estudos à empresa americana Booz Allen Hamilton, que apontou que o Flamengo era responsável direto por 70% das receitas do Maracanã. Diante deste número, o governador Sérgio Cabral resolveu revogar a autorização que o Flamengo havia recebido de sua antecessora e acabou com o Programa de Revitalização da Gávea, dizendo que o Maracanã seria do Flamengo. Então, o hoje prefeito, à época secretário de Esporte, Eduardo Paes, começou a estruturar a privatização do estádio, incentivando que Flamengo, Fluminense e CBF formassem um consórcio com uma empresa inglesa chamada ISG, que se apresentava como braço da IMG, hoje sócia de Eike Batista na IMX.

080211-notamaracanaFlamengo, Fluminense, CBF e ISG assinaram protocolos em 2008 e investiram em estudos de viabilidade, projeções econômico-financeiras, pesquisas de mercado e projetos arquitetônicos e de engenharia para remodelagem e reforma do Maracanã, que custaria R$ 600 milhões e seria paga pela ISG, através de seu Fundo Stadia, sem nenhum investimento público. Tudo mudou novamente, em 2009, com a Odebrecht se associando à ISG e impondo mudanças aos protocolos já assinados em 2008 com os objetivos de elevar o custo da obra para R$ 1 bilhão e excluir Flamengo, Fluminense e CBF do eixo central do consórcio. Hoje, depois de receber bem mais que R$ 1 bilhão dos cofres públicos, a Odebrecht detém 90% do consórcio que pretende administrar o estádio por 35 anos, e os clubes foram excluídos no próprio edital de privatização feito pelo Governo do Estado.

maracana-lotado-flamengohexa2-1-191416143Mas algumas coisas não mudam: o Flamengo continua sendo responsável por 70% do potencial de receitas do futebol do Rio de Janeiro e, enquanto não constrói seu próprio estádio, joga em casa no Maracanã e na maioria das arenas da Copa do Mundo, afinal, segundo pesquisas do Ibope, os torcedores rubro-negros são maioria em todos os estados do Brasil, exceto Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo, onde é a 4ª maior torcida. Por essas e outras, os clubes brasileiros não podem abrir mão dos seus estádios. O Flamengo, de preferência na Gávea, como instrumento de revitalização do clube todo, e a exemplo de Chelsea e Paris Saint-Germain, cujos estádios aumentam muito suas receitas e se localizam em áreas nobres de Londres e Paris, que, diga-se de passagem, também contam com estádios monumentais como Wembley e Stade de France.

Marcio Braga

Marcio Braga é o presidente que mais vezes comandou o Flamengo (1977-1980, 1987-1988, 1991-1992 e 2004-2009) e mais títulos de expressão conquistou, dentre eles, os de Campeão Brasileiro de 80, 82, 83, 87, 92 e 2009, dois Tri Campeonatos Estaduais (78/79/79 e 2007/2008/2009) e a Copa do Brasil de 2006.

7 Comments

  1. VARNEYJOSE

    3 de junho de 2013 at 11:11

    Injusto dizer que os clubes não ganharam nada no jogo SANTOS X FLAMENGO…alem da festa, da repercussão internacional do jogo, do descobrimento de um mercado novo (torcedores de Brasilia) o SANTOS em dinheiro levou mais do que nos dois jogos finais do Campeonato Paulista (800mil) e o FLAMENGO reverteu um jogo/fora para um jogo/casa, com estádio lotado e vestido de vermelho e preto…os dois clubes ganharam, e fica a idéia vitoriosa de se promover outros eventos iguais durante o campeonato…

    • Carlos Alves

      3 de junho de 2013 at 11:23

      Pode ter sido bom para o Santos em relação ao que normalmente recebe, mas quando se tem uma renda de quase 7 milhões e mais sabe-se lá quanto de faturamento com bares, estacionamento e etc e o Clube leva pouco mais de 10% disso então houve na verdade um enorme prejuizo.

    • Ad@1LtoN (@adailtonba2)

      3 de junho de 2013 at 11:48

      Repercussão internacional? A unica repercussão foi a noticia da inauguração do estadio e o ultimo jogo do Neymar. No que isso ajudou o Flamengo??

  2. Gustavo Costa

    3 de junho de 2013 at 12:02

    parabens dr marcio braga pelas palavras assino em baixo

  3. JULIO CESAR

    3 de junho de 2013 at 12:19

    MAIS VEZES COMANDOU O FLAMENGO E QUE MAIS ROUBOU. O QUE O FLAMENGO TEM QUE FAZER É SEU ESTADIO PROPRIO.

  4. José Leonardo

    15 de julho de 2013 at 23:04

    É um absurdo esta politicagem no Brasil que só visa o lucro. É claro que todos gostam de ganhar dinheiro, não vou ser hipócrita, mas o jeito que se faz aqui no Brasil é que é um nojo. A população Carioca deveria ir para as ruas e protestar esta privatização, pois foram gastos dinheiro público. O Fla assim como o Flu deveriam reestruturar seus Estádios e jamais se render a estes abutres carniceiros. Cada dia que eu vejo como é dirigido o dinheiro público neste Pais, eu consigo entender um pouco da mente dos terroristas, pois mesmo morrendo, eles levam junto o que mais odeiam, e as vezes me dá essa vontade de explodir toda essa corja!!!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.