Google+

O OUTRO LADO

Por em julho 7, 2013

no-pain-no-gainO texto publicado na última sexta-feira pelo brilhante Sorin, colunista do Falando de Flamengo e integrante do FlaMochila, relata a tristeza do companheiro ao perceber que não conseguirá estar presente em todos os jogos do Mengão no Brasileirão, por conta do tour rubro negro nos jogos em que possui mando de campo.

É impossível para nós, que estamos acostumados com as arquibancadas do Maracanã e que nos adaptamos às frias cadeiras azuis do Engenhão, ficarmos tanto tempo sem ter o nosso Mengão por perto. Mas como eu venho dizendo desde o início do ano: No pain, no gain.

Acredito que a diretoria está equivocada em alguns assuntos, principalmente no departamento de futebol, mas é inegável a assertividade desses seis primeiros meses. Um desses acertos é, sem dúvida, explorar a grande Nação Rubro-Negra espalhada pelo Brasil e as excelentes arenas montadas para a Copa do Mundo.

Bye-bye-brasilNas redes sociais, o que mais víamos nos últimos anos era: Por que o Mengão não vem jogar aqui em Cuiabá? Por que o Mengão não joga em Belém? Por que o Mengão não joga na Paraíba? Por que não jogamos no Espírito Santo? Hoje, não temos opções. Temos que explorar as melhores propostas para abrigar nossos jogos pelo Brasil. Iremos nos curvar ao absurdo imposto pelo Consórcio que administra o Maracanã? E não é uma atitude que se possa corrigir. Um jogador mal contratado tem prazo de validade de um ou dois anos. Mas esse acordo tem um prazo de 35 anos. O Flamengo está certíssimo de fazer valer a sua força e só fechar um acordo que seja realmente vantajoso para as pretensões rubro-negras.

Torcida-Flamengo-Estadio-Garrincha-Imagem_LANIMA20130705_0141_26Pensemos, então, em Brasília. A região tem muitos rubro-negros. A renda per capita de Brasília é uma das maiores do país. O ticket médio dos ingressos é ótimo. O estádio Mane Garrincha é excelente e já lotou contra o Santos, já lotou ontem, contra o Coritiba e também terá um excelente público nos jogos contra o ASA e o Vasco. Por que não mandar alguns jogos por lá?

luz-no-fim-do-tunel-1Precisamos de dinheiro. Precisamos manter nossos salários em dia. Precisamos de uma austeridade financeira que hoje já não é mais sonho, está perto de ser real. O preço de ficar longe de sua torcida carioca é caro? Sim. Mas nesse momento precisa ser pago. Pelo bem do Flamengo e para a felicidade da parcela candanga da Nação.

Portanto, meu amigo Sorin, entendo sua dor, pois compartilho dela. Mas o futuro reservado para nós, rubro-negros, é de dias melhores. Façamos nosso sacrifício nesse momento e, com certeza, sorriremos no final.

2 Comments

  1. Augusto Lace

    7 de julho de 2013 at 09:21

    E uma pena o consorcio do maraca nao entrar num acordo com mengão!!!

  2. VARNEYJOSE

    7 de julho de 2013 at 11:29

    Mesmo nos áureos tempos do timaço de ZICO&CIA, ter plateia de 55mil para um jogo contra o COXA, não rolava…bem aproveitado pelo marketing, essa política de levar o time para jogar BR afora, o FLAMENGO pode conseguir um faturamento extra até mesmo para os jogos do carioquinha…fica reservado para o NEWMARACA com fundamental presença da MAGNÉTICA RJ a final das copas e campeonatos…lembrando pra geral que o ingresso agora é caro a vera e acabou a distribuição “de gratis” pras organizadas…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.