Google+

CAFÉ COM LEITE

Por em agosto 5, 2013

ST-FLA-LUSADe uns tempos pra cá, a Chapa Azul, auto-intitulada proprietária do nosso Clube, vem se utilizando de dezenas de artifícios e argumentos, válidos para o torcedor de radinho porém estúpidos para o fã de arquibancada, para justificar o abuso de autoridade que é extirpar o direito do torcedor carioca de apoiar o seu Maior Amor. Mas, a cada dia, a coisa beira mais o absurdo. Dessa vez, o Flamengo jogará numa quarta-feira, às 21:00 contra a poderosíssima Portuguesa. O ingresso está uma bagatela: R$ 120,00. Mesmo assim, por razões óbvias, fui comprar o meu. E descobri o cúmulo da bizarrice: o setor superior estará fechado. Isso é um claro indício de que o Flamengo espera público modesto e prejuízo para o “derby mundial”. E quem, em sã consciência, paga três dias de hotel, alimentação, deslocamento, PARA TER PREJUÍZO? Se não houvessem interesses excusos, o jogo seria em Volta Redonda…

Fora que, por mais que o torcedor de pay-per-view e a imprensa insistam que a torcida candanga é linda, maravilhosa e empurra o time, o fato é que não há expressão que defina melhor essa parcela da Nação do que “Café com Leite”. Se o time vai bem, bate palmas. Se o time vai mal, idem. O conhecimento referente à equipe chega a me assustar: quando o nosso camisa 29 foi substituído, o casal do meu lado aplaudiu-o efusivamente, berrando “É Nilson! É Nílson!”. Mas parece que a ignorância é institucional. Logo após o gol do Paulinho, o placar anuncia o autor do tento: camisa 26, Paulo Luis. Tipo assim, não sei o nome do cara, coloco o nome que ele assina na súmula…

pingado1Que me desculpem os alienados de sofá, mas também considero uma afronta ter que assistir uma partida no estádio, no meu setor, ao lado de um atleticano. Quer ver jogo do lado de um adversário? Vai pro bar, porra! Não vou dar porrada em ninguém, lógico, até pela grande possibilidade de chegar com o olho roxo em casa, mas acho INADMISSÍVEL esse novo “Status Quo”. Paz? Sim! Tolerância? Óbvio! Abraçar e sorrir pro adversário durante o jogo dentro do estádio? Nunca! E esse mantra da convivência pacífica entre torcidas deveria ser testado colocando uma meia dúzia de torcedores de sofá lá no Independência, com o Manto Sagrado, na entrada da Galoucura. Definitivamente, isso é uma utopia que só funciona com torcidas Café com Leite…

Com tudo isso, cada vez ganha mais força minha teoria de que o Flamengo só joga em Brasília por conta de algum “Acordo de Cavalheiros”, nos quais os donos do Brasil e os donos do Flamengo fizeram o seguinte acerto: o Fla precisava parcelar desesperadamente seus impostos para conseguir a importantíssima CND. O Governo Federal foi lá e deu uma ajuda camarada, deve ter dado um descontinho, umas condições especiais e tal. Em troca, falou assim: “Tá vendo aquela merda de estádio que eu construí nessa merda de cidade? Pois é, eu torrei mais de um bilhão de dinheiro público nele e não tem ninguém pra jogar aqui. Então, vocês vão fazer o seguinte: jogam aqui quantas vezes eu quiser e sorrindo, tá bom? Assim ninguém vai falar que esse estádio ridículo é um elefante branco. Combinado?” E assim todos ficaram felizes para sempre. Menos o torcedor, lógico. Mas esse não tem importância alguma.

quebra_de_contratoOu vai me dizer que é pra cumprir o contrato? Desde quando essa diretoria têm feito isso? Cumpriu com o Renato Abreu? Vento que venta lá, não venta cá?

Não fosse por esse motivo, seria muito mais rentável para o Flamengo realizar uma turnê estilo banda de rock, mandando jogos em várias cidades, como Fortaleza, São Luís, Teresina, Aracaju, Uberlândia, Campo Grande, e arrebatando centenas de sócios torcedores em cada cidade que passasse. Aí, seria justificável. Já que o negócio é virar o novo Barcelona ainda esse ano, poderia cobrar até mais caro, pois seria uma chance única desses torcedores assistirem seu clube de coração. Ganhos do dois lados, no curto e no longo prazos. Além da possibilidade lógica de já reservar partidas para essas praças com antecedência, preparando assim os bolsos dos torcedores locais e atiçando a vontade de se associar dos mesmos, com ações promocionais. Mas não é assim, porque não interessa que seja.

Nossa diretoria prefere receber umas migalhas no curto prazo, o contrário extremo do prometido na campanha, ao invés de uma maior adesão ao combalido e pouco atrativo programa de Sócio Torcedor, que nos ajudaria no longo prazo, cuja única vantagem real para o torcedor são os descontos para as partidas. Mas, como inflar tal programa se o seu grande público-alvo (o carioca) não pode usufruir do seu único benefício DE VERDADE, sendo afrontado diariamente, mantido em cárcere privado, a anos-luz da sua Grande Paixão? Quem, fora nós, retardados assumidos, gastaria dinheiro com um título que não lhe dará nenhuma contrapartida? Que garantia o Flamengo nos dá de que vai jogar por aqui de novo durante a vigência do Reinado Azul?

PLANILHA-FLAMais grave que isso é a má-fé com que nos divulgam certos números. A planilha de resultados das três partidas tenta nos empurrar goela abaixo o quanto é mais lucrativo jogar em Brasília. Só esqueceram de mencionar que o time não precisa ir de avião para o Maracanã e os custos de hospedagem e alimentação são sumariamente inferiores. Outra coisa que não funciona mais é a tal comunicação com o torcedor. Se no começo, todas as notícias eram dadas em primeira mão no site, agora o torcedor tem que adivinhar onde será o próximo jogo, e o site da CBF é muito mais importante do que o do Clube nesse quesito, pois lá nunca há informação nenhuma a respeito disso…

Enfim, costumo usar esse espaço para falar das partidas em si, mas precisava desabafar o que sinto de dentro do estádio, que é bem diferente da visão do sofá e do barzinho…

29 Comments

  1. Marcos Wilson

    5 de agosto de 2013 at 12:32

    Ainda atribuem a não violência nesses jogos a ausência de torcidas organizadas. Mas eles esquecem o que seus veículos de comunicação tem guardado de divulgações antigas. BRIGAS DE TORCIDAS EXISTEM A MAIS TEMPO QUE AS TORCIDAS ORGANIZADAS.

    Quero ver se mesmo sem as organizadas, a porrada comer, qual vai ser a desculpa. Já antecipo que não vale dizer que é torcida organizada que se infiltrou. Essa desculpa não cola mais.

  2. Marcelo

    5 de agosto de 2013 at 14:20

    Esse texto me pareceu bastante exagerado! É claro que há erros da diretoria, mas acho que essas acusações feitas no texto são muito sérias.
    Na divulgação dos resultados financeiros dos três jogos não vi em lugar nenhum a diretoria dizendo que jogar em Basília era mais vantajoso. Pra mim, deu até a entender que os custos de lá são maiores ainda que no Maracanã! Foi apenas uma divulgação de informações.
    Fechar o anel superior é bastante plausível para um jogo de público reduzido, uma vez que certamente vai diminuir os custos.

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 16:06

      Marcelo, obrigado pela leitura! Seu comentário toca num ponto importante: o fechamento do anel superior para reduzir custos. Só fica impossível inserir essa economia em um contexto onde o Flamengo gasta seis dias de diárias e alimentação do elenco e comissão técnica, além de uma fortuna com passagens aéreas, para esperar um público tão pequeno que justifique a fechamento de um anel inteiro. O restante são opiniões, e eu respeito plenamente a sua. Um abraço!

      • Julio Veloso

        5 de agosto de 2013 at 16:18

        Só para completar, não fiz acusações, de forma alguma. Classifiquei minha ideia como “teoria” na qual acredito piamente, mas não há como comprovar, admito. Nenhuma das partes daria esse mole. Em relação à planilha, sua divulgação ocorreu em um momento em que muito se reclamava, como até hoje, do caráter turista do clube, que nunca joga em sua casa. Parece claro para mim o perfil tendencioso do anúncio. Mais uma vez obrigado pela leitura!

  3. VARNEYJOSE

    5 de agosto de 2013 at 15:30

    FALOU MUITO E NÃO DISSE NADA !!! lembra da renda do ultimo jogo em VR !? quarta-feira vai ser 5x maior…no mínimo !!!

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 15:40

      Prezado Varney, concordo que a renda seria bem menor aqui em Volta Redonda. Especialmente, porque ninguém precisaria colocar ingresso por 120 reais para extorquir o torcedor, uma vez que não haveria um custo tão elevado para ser compensado. Aqui a viagem seria de ônibus, a concentração seria de um dia somente e o aluguel do estádio é 20 vezes mais barato. Obrigado pela participação!

  4. Hermínio Fernandes Corrêa

    5 de agosto de 2013 at 16:06

    Júlio permita discordar de bastante coisa em seu texto. Até mesmo a questão de assistir jogo ao lado do adversário… A saudosa geral do Maracanã era o mais claro exemplo de torcedores rivais compartilhando o mesmo espaço. Achar que o plano de ST tem o carioca como “publico alvo” é outro equívoco: Se você já observa pouco ou nenhum atrativo no plano morando no Rio, imagine o “torcedor Off Rio”? O plano é ruim para todos! Moro em Curitiba (mas pode ser qq outra cidade que não Rio e Brasília), o Flamengo não jogará como mandante aqui então que privilégio tenho?! Sobre a utilização do Estádio Nacional considero meio que “teoria da conspiração”. Depois do jogo contra o Santos (lembre se que não ganhamos nada naquela partida) ficou bastante óbvio o potencial de futuramento na Capital Federal. Negligenciar isso em um momento chave de negociação com o Consórcio Maracanã – e mais, precisando faturar – seria um enorme erro.

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 16:52

      Amigo Hermínio, obrigado pela leitura! Confesso que sou radical em alguns pontos de vista, mas passo longe de ser beligerante. Acredito que os setores mistos devem atender a quem não se importa e talvez até prefira assistir à partida em um ambiente, digamos, neutro. Mas, para mim, as áreas especificamente destinadas às torcidas devem ter acesso impedido para o torcedor rival, especialmente no tocante à segurança do provavelmente inexperiente torcedor. Imagina se a Raça ou a Jovem decide agredir um desses torcedores? Ficaria complicado e todos levaríamos a culpa pela má conduta da já mal vista organizada, mas que também contou com a imprudência do torcedor adversário para acontecer.
      Em relação ao seu comentário sobre o ST, corretíssimo! Ele realmente é ruim para todos! Só menciono o carioca como público alvo pelo simples fato de aqui estar concentrada a esmagadora maioria de rubro-negros, além daqueles que hipoteticamente se beneficiariam dos descontos maquiados que nos são oferecidos como “benefícios”.
      Em relação à questão dos jogos em Brasília, realmente acredito no que escrevi, até por conhecer como essas coisas funcionam, vindas dos dois lados negociantes. Mas não desconsidero o potencial do público candango. Só acho que existem diversas outras praças com capacidade semelhante. Confesso também que a delicadeza das minhas opiniões não é o ponto forte do meu linguajar.
      Seu comentário foi muito pertinente, amigo! Um forte abraço e espero novas contribuições!

  5. Bruno Cazonatti

    5 de agosto de 2013 at 16:14

    Sensacional, parceiro…
    Como eu digo, apoiar a situação é uma coisa, deixar de criticá-la é outra.
    Tâmo Junto!
    Cazô

  6. Gustavo Berocan

    5 de agosto de 2013 at 16:55

    Interesses excusos? Além de ser um exagero é uma acusação grave hein? Os custos dos jogos no Mané são 13% da renda bruta, duvido que não dê uma renda muito melhor que os últimos jogos em Volta Redonda. Para uma quarta-feira a noite, para um jogo contra a Portuguesa não acho que seja ruim diminuir a capacidade do estádio. É melhor ver meio estádio cheio do que um estádio inteiro cheio de buracos. E é bem provável que os custos sejam menores.

    O Flamengo já acena que jogará mais no Macaranã se o Consórcio sair do meio. Está na cara que preferem pagar hotel e vôos do que um milhão pro Consórcio por jogo. A fase é de queda de braço Flamengo x Consórcio, e o torcedor do Rio tem que ter paciência mesmo. Se os caras vazarem podemos ter condições muito melhores pro torcedor. Se estão repetindo os jogos em Brasília se deve à combinação de uma cidade com alto poder aquisitivo, uma estádio novo que precisa de eventos e uma boa estrutura. Do ponto de vista da logísitica é melhor repetir os jogos em Brasília. E pela renda e até pelos resultados tem valido a pena. 2 vitórias e 2 empates no Mané Garrincha. Deixa a turnê pra Copa do Brasil.

    E palmas pra torcida de Brasília que depois do vexame contra o Bahia levou 31 mil pagantes pro Mané Garrincha.

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 17:44

      Gustavo, respeito sua opinião mas, como disse, acredito mesmo que haja outro tipo de interesse por trás dos jogos em Brasília. Mas já comentei aqui que é uma teoria, não uma denúncia ou acusação. Seu comentário trata como custo somente o aluguel do estádio, mas não considera a despesa de deslocamento, de hospedagem e alimentação. Imagina por quanto deve sair abarrotar um avião com aquela horda de funcionários sem função definida, além de 23 jogadores? E vários dias de hospedagem e alimentação? Parceiro, deve sair muito mais caro do que a diferença entre o custo do Maracanã e o de Brasília… (não esquecendo o quanto a Ferj, ela mesma, cobra para aceitar jogos fora). E não trará benefício algum no longo prazo cujo foco foi promessa de campanha, já que isso não atrairá novos sócios para o já péssimo Programa que temos. Reiterando, não sou jornalista para acusar ou denunciar, passo bem longe disso. Só que minha visão é de quem está lá dentro do estádio em absolutamente todos os jogos há, sei lá, 20 anos. Vc acaba aprendendo que existem diversas verdades alternativas para a verdade veiculada na imprensa. Mas são, repito, teorias, jamais acusações, como vc classificou equivocadamente. Se o estádio precisa de eventos, é porque foi construído em um lugar sem atrativos para o tipo de obra. Não deveria ser o Flamengo a pagar esse preço. A questão do Maracanã é outro departamento, bem mais complicada. E acho que jogar em Volta Redonda essa partida de quarta não teria a receita de Brasília. Mas não teria a décima parte dos custos, o que equilibraria a balança. Obrigado pela leitura!

      • gugudada

        5 de agosto de 2013 at 19:18

        Eu adoraria ver essa conta dos custos da viagem. Eu acho que continua valendo a pena. Talvez você não tenha reparado mas na planilha aparece no post mostra o Vasco x Flamengo como se a totalidade da renda tenha ido para o Flamengo e foi dividido um jogo com mando do Vasco e renda dividida meio a meio. É um dado que você podia ter usado a seu favor. Por outro lado ontem tinham mais de 2000 sócios-torcedores no Mané Garrincha. Brasília é a segunda cidade em sócios-torcedores e isso você não fala no texto. Talvez tenha sim alguns que não saibam nem o nome dos jogadores mas se o Rio tivesse a mesma porcentagem de torcedores rubro-negros que comparecem ao estádio dentro do universo total de torcedores da cidade o Maracanã enchia fácil todo jogo.

  7. Jorge Antonio Coutinho Ferreira - 64

    5 de agosto de 2013 at 18:57

    Pois é… pois é… pois é…. . É muito bom ver, e sentir que o FLAMENGO está motivando essas discussões entre seus torcedores. De um lado JV, e do outro, torcedores que discordam da ‘ideia’, do ‘pensamento’ desse ilustre jornalista/comentarista (acredito) que demonstrando uma firmeza impar em suas convicções tem procurado ‘responder’ a todas as intervenções que possam macular a sua “TEORIA”. E, em função disso, apesar de apreciar muito as ‘polemicas’ (estou nisso há cerca de quarenta anos), não me atrevo no exercicio do direito de intervir, até mesmo porque estou há cerca de 2.000 km dessa ‘efervescencia’, embora seja RN de mais de seis decadas. Assim, ainda que não aplicavel in casu, os meus ‘cabelos brancos’ sussurram ao meu ouvido: “ambos os lados não estão isentos no pecado” ou seja, estão certos….. e…. estão errados. Mas, como bom baiano, nordestino matreiro, prefiro ouvir…. ouvir….. e ouvir. Talvez, no proximo domingo (dia dos pais), na minha mesa, o assunto venha à tona e eu possa me expressar, para os meus suditos. kkkkkkkkkk. Desejo apenas que o JV (me permita assim chamá-lo), o Gustavo, o Bruno, o Varney, o Marcelo, o Marcos, enfim todos aqueles RNs que desejem dar suas ‘pitadas’, continuem firmes em seus posicionamentos, mais acima de tudo INTOCAVEIS no seu AMOR pelo MANTO RUBRO NEGRO (como eu tenho procurado ser). Um abraço a todos.

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 21:16

      Bem observado, Gugudada! Não utilizei esse dado do jogo com o Vasco no texto. E também gostaria de dar uma olhada nessas despesas aí, até porque viajo há anos seguindo o Flamengo e, olha, é dispendioso, hein… agora, o que me chamou mesmo a atenção no seu comentário foi a relação entre sócios torcedores e público total que vc mencionou. Será que essa relação não foi provocada pela grande quantidade de partidas que os torcedores brasilienses terão oportunidade de acompanhar do seu time de coração, combinada com aquela gostosa sensação de estar ajudando o Flamengo e ainda se beneficiando disso? Será que a ausência dessa contrapartida aqui no RJ não estaria atrapalhando? E se o Flamengo jogasse aqui, será que esse percentual não aumentaria, mesmo com um programa de sócio torcedor pouco vantajoso? E se essa iniciativa se estendesse por várias cidades onde a Nação é gigante, não seria justo e, melhor ainda, lucrativo? Admiro absurdamente os candangos sócios torcedores pela grande contribuição, mas, a rigor, esses torcedores são os únicos a usufruir efetivamente das parcas vantagens do ST até agora. Está na hora de multiplicar os beneficiados! Muito obrigado pela contribuição!

  8. Julio Veloso

    5 de agosto de 2013 at 20:43

    Amigo Jorge, fico lisonjeado com seu comentário enriquecedor. E mais lisonjeado ainda por ser confundido com um comentarista/jornalista. Mas passo longe disso. Na verdade, minhas firmes posições vêm do calor da arquibancada, do grito de gol da torcida e da satisfação de acompanhar o Mais Querido durante mais de 20 anos, quase metade deles em todos os jogos, onde quer que eles ocorram. O contraditório é bem vindo e enriquece o debate, até porque poucos pensam como eu. Mas sou um pobre louco defendendo minha inofensiva insanidade por aqui. E é claro que vc pode me chamar de JV, meu camarada! Forte abraço e obrigado pela paciência!

  9. Fillipe Azeredo

    5 de agosto de 2013 at 21:06

    Essa chapa azul já passou dos limites quanto a realização de partidas em Brasília,o Flamengo é praticamente o único clube da série A que não joga em casa,e não adianta falar que o Brasil é a casa do Flamengo porque não é,com todo respeito aos torcedores off-rio,a casa do Flamengo é o RJ pois é aqui na cidade do Rio de Janeiro e principalmente no Maracanã que o Flamengo possui a verdadeira força das arquibancadas que pode ajudar muito o clube a superar o momento difícil vivido em campo.Graças a essa diretoria eu estou sendo privado de assistir a minha maior paixão na arquibancada e infelizmente nesse brasileirão só pude assistir a duas partidas do Flamengo na arquibancada(Santos no DF e Botafogo no Maracanã),número bem abaixo do que eu costumo frequentar e a diferença comportamental da torcida nas 2 cidades é nítida,quando eu fui para Brasília assistir a partida contra o Santos o estádio estava lotado porém o que se via era uma torcida apática que não apoiava e nem empurrava o time e todos os setores do estádio assistiam ao jogo sentado enquanto que na nossa volta ao Maracanã embora o público fosse menor ao de Brasília a torcida jogou junto com o time o tempo inteiro e fez muito mais barulho do que os quase 70.000 pagantes de Brasília,mostrando assim que é fundamental jogarmos no Rio de Janeiro! E a respeito do nosso próximo jogo contra a Portuguesa eu GARANTO que o público seria maior no Maracanã do que será em Brasília,uma vez que o Flamengo não é mais novidade em terras brasilienses,se der 20.000 de público por lá será muito.Enfim,compartilho das ideias do autor do texto e defendo a volta do Flamengo à sua verdadeira casa,essa diretoria está desrespeitando o torcedor carioca que como eu e tantos outros sempre estiveram ao lado do Flamengo nos momentos mais difíceis e estão sendo proibidos de acompanhar seu time de perto ou estão tendo que desembolsar uma fortuna com viagens para ver o Flamengo o Flamengo jogar “em casa”
    SRN

  10. LUCIO BARROS

    5 de agosto de 2013 at 22:15

    Na época da negociação para jogar no Maracanã, quando o consórcio estava intransigente na negociação , somente aceitavam negociar alguns locais não rentáveis com o CRF (lembra???) …Esta foi uma alternativa que pesou no acordo final com o consórcio. Parabéns Diretoria! Esta foi a verdadeira razão em se fechar os jogos no DF. Isto fez inclusive com que a diretoria do Fluminense reclamasse do acordo totalmente diferente do que foi feito com eles( lembra??). Havia o interesse em outras praças sim, mas houve inclusive uma campanha, se não me engano em Recife, para que boicotassem jogos do CRF no estado. Discordo, mas alegavam que prejudicaria os times locais. Sua acusações são abstratas.

    há 3 horas · Curtir · 1

    • Julio Veloso

      5 de agosto de 2013 at 22:54

      Amigo Lúcio, como já respondi diversas vezes aqui, a questão dos jogos em Brasília não é uma acusação. Para isso, eu deveria reunir provas e ir a um jornal formalizá-la e não a um blog. É uma teoria apenas, mas que acredito mesmo. Tenho só 26 anos de arquibancada para embasar minha opinião. Você comentou sobre um eventual boicote em Recife. É possível, pois lá somos odiados. Mas a grande torcida que temos nas cidades e estados vizinhos resolve isso fácil. Já estive por lá muitas vezes e, pode acreditar, é impossível boicotar o Flamengo não só lá como em qualquer lugar, como fizeram com o Botafogo, por exemplo. Vc está corretíssimo em dizer que o fator Brasília ajudou na negociação com o Consórcio Maracanã. Mas não vejo onde isso pode ter correlação com uma possível ausência de troca de interesses no mando de jogos em Brasília. São dois fatos bastante distintos. Vc citou o possível boicote de Recife para defender uma única sede off-Rio, no caso a Capital Federal. Mas vc concorda que, partindo do pressuposto de que não houve nada relacionado à minha teoria (jamais denúncia), o plano de sócio-torcedor ficou limitado e prejudicado com essa decisão? Amigo, já fui acompanhar o Flamengo em cidades como Maceió, Arapiraca, Salvador, Campo Grande, Belém, Fortaleza, Horizonte-CE, BH, Ipatinga, Uberlândia, Juiz de Fora, João Pessoa, Goiânia, Natal e Campina Grande, dentre outras. E posso te garantir que nenhuma delas deve nada à Brasília no quesito amor ao Flamengo. E jamais deveriam ser marginalizadas, já que a nova Diretoria Maravilhosa decidiu que o Flamengo não jogaria no Rio. Esses jogos deveriam ser distribuídos entre grandes centros de torcedores rubro-negros para fins comerciais. Por que vc acha que a Nação é a maior torcida do Brasil? Porque fazia vários jogos em uma cidade só, durante as sua “turnês” nas décadas de 60? Não, amigo, pelo contrário extremo. Até porque títulos nacionais nós não tínhamos na época… Só para finalizar, não sou contra nem a favor da Diretoria atual, assim como de qualquer outra corrente. Não participo da política interna do Clube. Meu papel é torcer, como vc e todos os outros que contribuíram com comentários para o meu texto também têm esse papel. O fato de estarmos discutindo esse assunto aqui é a prova de que estamos fazendo bem nosso trabalho. E acompanhar de lupa e com olhar crítico o andamento da atual gestão é o nosso dever. Muito obrigado pelo comentário e pela atenção!

  11. Salvador Lacerda Falcão

    6 de agosto de 2013 at 07:50

    Não li toda a discussão, mas num momento o Julio (autor do post) diz: “Só menciono o carioca como público alvo pelo simples fato de aqui estar concentrada a esmagadora maioria de rubro-negros”. Grande engano, meu caro. Concentrada somente, pois o maior número de torcedores do Flamengo está fora do Estado do Rio de Janeiro. E mais: permita, Julio, que eu assista aos jogos do Mengão ao lado de torcedores de outros clubes. É um prazeroso exercício de cidadania.

    • Julio Veloso

      6 de agosto de 2013 at 08:39

      Bom dia, Salvador! Quando falo de concentração, falo em quantidade de torcedores por metro quadrado. Apesar de termos mais flamenguistas no resto do Brasil, é bastante óbvio que eles estão bem mais dispersos do que aqui. E é claro que vc pode assistir às partidas ao lado do torcedor rival! Para isso, existem os setores mistos nos estádios. Além de propiciar o citado exercício da cidadania, isso ainda garante que o mesmo seja usufruído com segurança. Obrigado pela leitura!

  12. Izaias Filho

    6 de agosto de 2013 at 11:07

    Números do jogo contra o Atlético-MG:
    Despesa com com passagens àreas: R$ 34.000,00.
    Despesas com hospedagem: R$ 9.880,00.
    Lucro líquido: 1.054.761,25
    Disponível em: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/17726/flamengo-apresenta-resultado-financeiro-da-partida-contra-o-galo

    Se todo carioca pensasse como vc, eu deixaria de ser torcedor. Ainda bem que no site do GE todos apoiam esses jogos em BSB.

    • Julio Veloso

      6 de agosto de 2013 at 13:03

      Amigo Isaías, obrigado pela informação! Esclareceu muita gente. Mas ainda discordo dos jogos em Brasília pelos motivos elencados acima. Mas claro que respeito sua opinião. Só discordo quando vc usa as opiniões do GE como termômetro para a satisfação do torcedor e principalmente quando vc diz que se todo carioca pensasse como eu, vc deixaria de ser torcedor. O que é isso, amigo? O Flamengo é muito maior do que a minha opinião ou de qualquer outro torcedor! Forte abraço!

      • Izaias

        6 de agosto de 2013 at 15:49

        Concordo que os jogos devem ser no maracanã. Mas não precisava esnobar os flamenguistas do DF.

  13. Izaias Filho

    6 de agosto de 2013 at 11:10

    No clássico carioca entre Vasco x Botafogo, o lucro líquido do vasco foi de R$ 296.000,00. E o botafogo não levou nada.

  14. Rodolfo Zozo

    6 de agosto de 2013 at 11:23

    Julio Veloso, respeito sua opinião e seus argumentos mas discordo em vários pontos. Sou de Brasília mas gostaria q o flamengo sempre jogasse no Maraca, o Rio de Janeiro é a casa do mengão e isso faz toda a diferença. Na impossibilidade de jogar na cidade do Rio e tendo médias de público ridículas em macaé e volta redonda, o mengão tem mais é q mandar seus jogos em outros estados, crime é o flamengo jogar pra público de 5, 8 mil torcedores podendo jogar pra 30, 40 mil em outros estados. E outra, o melhor é que adote apenas um lugar como sua casa nesse período que está impossibilitado de jogar no RJ, seja Brasília, Salvador, Fortaleza, Belém, Floripa, oq for, pois a perda técnica e desgastes físicos seriam ainda maior aos atletas e bem provável que estaríamos pior na tabela.
    Só teríamos um aumento de sócio e um maior retorno financeiro do que temos se o nosso mkt fosse bom, e ele não é, não chega ao seu torcedor pra se associar, o torcedor que tem que chegar ao clube. Mais fácil fazer um ST sabendo que o time fará 6 jogos na sua cidade e não um rodízio interestadual. Sobre a escolha de Brasília, mais de 50% da população do DF é flamenguista e tem um dos maiores (se não o maior) PIB per capita do país, assim, 120 reais aqui vale menos doq em outros estados e quem for em todos os jogos sabe q vale a pena fazer o ST. contando tb com a meia-entrada, o ingresso cai para 30 reais. Sou completamente contra a elitização dos estádios, acho um absurdo, deveria ter ingresso pra todos, mas a regra q está sendo imposta é essa e as condições financeiras do maraca não são interessantes ao flamengo.
    Sobre a torcida “café com leite”, com certeza o flamenguista de outro estado é diferente do carioca pelo simples fato de não ver o mengão todo o fds no estádio, fica em casa ou no bar assistindo fielmente ao mengão enquanto vcs torcem nas arquibancadas. Mas seu comentário foi baixo e generalizante. Vou a todos os jogos do mengão aqui em Brasília, acompanho o dia-a-dia do clube como qq rubro-negro apaixonado e sei que milhares de brasilienses são assim tb, apoio mas tenho grandes críticas à chapa azul, como muitos outros. Por isso, dar a maior média de público ao mengão no brasileiro, botar mais de 30 mil pagantes no mané com o time no Z4, mesmo com esses preços absurdos, acho q é um pouco mais doq uma torcida café com leite. Não se esqueça, só com a torcida do rio o flamengo já seria um time grande, com a torcida de fora ele é gigante.
    SRN

    • Julio Veloso

      6 de agosto de 2013 at 12:51

      Rodolfo, nem tenho como agradecer a qualidade da sua contribuição. Apesar de diferente do meu, seu ponto de vista tem ótimo embasamento! E é claro que o Flamengo é gigante por causa de todos nós! Muito obrigado mesmo e desculpe-me por qualquer excesso nos meus pontos de vista. Um abraço!

      • Rodolfo Zozo

        6 de agosto de 2013 at 19:18

        Valeu pelos elogios e consideração à minha opinião, e nem precisa se desculpar, a intensão de todos nós, vcs q escrevem e quem lê e solta uns pitacos, é mostrar os diversos pontos de vista sobre o nosso mengão. Um abraço!

  15. Julio Veloso

    6 de agosto de 2013 at 16:16

    Izaías, não se trata de esnobismo, de forma alguma. A expressão café com leite denota neutralidade, não marasmo. São características do torcedor de lá, pouco habituado a partidas de importância e ao convívio intenso com o clube. Essa atmosfera de guerra que o Maracanã impõe é muito importante para o momento que o time vive e isso nos falta em Brasília. E essa cancha de inflamar a equipe não se conquista em um mês.
    Para finalizar, na realidade, eu realmente odeio a cidade de Brasília, mas admiro o povo candango.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.