NA WEB
    Google+

    DIVÃ RUBRO-NEGRO

    Precisamos admitir nossas fraquezas

    Por em novembro 25, 2013

    Jayme (6)Se eu disser que nós temos um ELENCO limitado alguém aí vai querer me bater? Acredito que não. Sim, porque nós temos até um TIME aguerrido e competitivo, principalmente depois que Jayme Harry Potter de Almeida fez a magia certa. Dizer que temos um ELENCO bem montado, cheio de peças de reposição adequadas e prontinho para 2014 seria um tanto quanto exagerado. Correto?

    No campo da cartolada, caso conquistemos a Copa do Brasil (e arrisco dizer que até mesmo se não rolar), vai ter Smurf da Chapa Azul errando a mão dizendo que estavam com a razão em TODAS as medidas tomadas desde a posse. Trocaram de técnico várias vezes, venderam o Flamengo para Brasília em boa parte da temporada, contrataram o Irmão Jorginho e, somando tudo isso e mais um pouco, foram os principais responsáveis por nossas campanhas pífias no Estadual e sem grandes emoções no Brasileirão. Por ora estão mitando mesmo é em ajeitar nossos cofres, o que me traz muita curiosidade a respeito de quais serão nossas contratações para 2014. Mas querer que Cartola admita suas fraquezas é pedir demais, não é mesmo?

    Bem… Feita essa vaselinada dos parágrafos acima… Vamos mexer no formigueiro outra vez. Com as pedras que me atirarem construirei um estádio para o Flamengo.

    Vou começar admitindo minhas próprias fraquezas para ver se o povo entende. Se não der certo e eu precisar desenhar, aí é que estaremos bem arrumados. Meus traços são mais patéticos que a campanha do Náutico.

    Então… Vamos lá. Em detrimento do que alguns pensam, eu não me acho mais Rubro-Negro que ninguém. Na verdade se for pesar tudo, tem muita gente que me acha falho em meu pretenso amor pelo Mais Querido.

    E não é que há motivos para isso? Principalmente pelo fato de que ignoro solenemente toda e qualquer atividade esportiva praticada pelo Flamengo que não seja o Futebol Profissional. Não assisto e nem me informo sobre as divisões de base, bocejei enquanto a Nação se indignava com aquela canetada limando esportes amadores no começo da gestão dos Smurfs, não tomo nem conhecimento do Fla-Basquete-Orgulho-Da-Nação.

    FLAMENGO - PERFIL DO TORCEDORSério. Se os guerreiros do nosso basquete fizerem a Final Intergaláctica contra Vênus no quintal aqui de casa, eu vou ao cinema e só volto uma hora depois do jogo. Estou errado? Estou e foda-se.

    Sobre o termo “modinha”, que gerou grande tumulto na minha TL enquanto eu curtia o show do D2 no Circo Voador, enquanto bom modinha de hip-hop que sou, já que nunca escuto em casa, mas estou sempre presente nos eventos do gênero na Lapa, não sei mesmo porque o povo se ofendeu. Os modinhas, desde sempre, são parte integrante e inalienável da Nação. Ajudaram a piorar as coisas na Batalha da Vila Capanema? Sim. Mas também fizeram uma bela festa dentro do estádio, tendo eu me esbaldado no bloquinho improvisado no intervalo do jogo.

    Alguns pontos abordados lá pelo Twitter e que achei melhor responder aqui pelo site da firrrrma.

    . Ir ou não ao estádio não torna ninguém mais ou menos Flamengo. Até por uma questão física, já que ainda não ouvi falar em estádio com capacidade para mais de 40 milhões de pessoas.

    . Off-Rio nunca pode ser chamado de modinha. O modinha reside OBRIGATORIAMENTE no Município do Rio de Janeiro ou nos mais próximos. Se o cara mora fora do Rio e torce pro Flamengo já merece uma medalha pelo bom gosto, qualquer coisa que ele fizer a mais já é um plus.

    . O pessoal do meu site não foi pra Curitiba justamente por não serem modinha. Não têm o hábito de viajar pra ver os jogos e não haveriam de mudar de comportamento só porque é a Final da bagaça.

    . O problema não reside no sujeito ir pra Curitiba. Muito pelo contrário. Final é sempre muito bom, e quem tiver oportunidade tem mais que ir. O problema é bem outro. Essa não tem como aliviar. Se o cara viaja pra ser campeão sem nunca ter viajado nas nossas recentes batalhas contra o rebaixamento… Escolha de cada um. Agora… Ficar indignado e chorando que nem botafoguense porque chamam de modinha? Faça-me o favor.

    . Só pra arrematar. Muita gente que eu CONHEÇO fazia jogo duro pra ir ao Engenhão porque 40 pratas era caro e dez da noite era tarde. Se por magia ir até a Vila Capanema se tornou barato e perto…

    . Sou mais é do cara bater no peito e admitir. “Foda-se o que pensam de mim. Só vou na boa mesmo e o problema é meu. O tempo e o dinheiro também. Faço o que bem entender com ambos. Sou da Fla Modinha e, nos tempos atuais, sem a gente, o Maracanã não lota”.

    torcidaflamengo_maracana2_alexandrecassianoglo_95Quarta tem festa no Maracanã. Modinhas e não-modinhas empurrarão o Flamengo para mais um título. Somos a maioria em tudo. Mochileiros, médicos, assaltantes, empresários, motoristas, donas de casa, modinhas, bancários…

    Admitindo fraquezas… Não somos maioria entre porteiros, é sabido que eles fecham com o Botafogo.

    Ah… Já ia esquecendo do meu pior. Simpatizo com o Corinthians, herança de tempos idos quando as duas torcidas eram carne e unha. O nível em que eu simpatizo? Chorei quando foi rebaixado, assinei pay-per-view da segundona na época e tenho mascote na estante. MUITO PIOR do que qualquer modinha.

    Somos a maioria opressora do futebol. Esse é o nosso orgulho. Somos os maiores dentre todos. Da nossa maneira… Que a arcoirisada ama odiar.


    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.