NA WEB
    Google+

    BANDEIRA FAZ UM BALANÇO DE SEU PRIMEIRO ANO COMO PRESIDENTE

    Do resgate da credibilidade a vaga na Libertadores com muito trabalho e dedicação

    Por em dezembro 23, 2013

    Sócio do Rubro-Negro há 34 anos, torcedor desde sempre, com curta passagem pelo Conselho de Administração do clube entre 2007 e 2009. O Falando de Flamengo conversou com o Presidente Eduardo Bandeira de Mello que falou um pouco sobre o primeiro ano a frente do Mais Querido.

    Novo modelo de gestão, cortes administrativos, resgate da credibilidade, certidões, patrocínios, título nacional e a vaga na Libertadores do ano que vem. Improvável ou não, sorte ou não, entre mais acertos que erros, o mandatário Rubro-Negro afirma que os resultados de 2013 são atribuídos ao trabalho que vem sendo desenvolvido por todos na atual administração. Confira:

    IMG_3564Como você resume o ano de 2013 na sua vida? Ser presidente do maior clube do mundo algum dia fez parte dos seus planos?

    O ano de 2013 foi muito bom pra mim, pois foi ano em que pude trabalhar pelo Flamengo, que é a minha paixão. Agora, se fossem me perguntar isso em meados de 2012, isso nunca passou pela minha cabeça. O que passava pela minha cabeça era que eu gostaria de ajudar o Flamengo de alguma maneira, mas nunca imaginei que seria o presidente. O ano de 2013 foi bom porque foi o ano em que pude ajudar, mas por outro lado, foi um ano muito difícil. Um problema atrás do outro. Encontramos uma situação muito pior do que estávamos imaginando. Agora estamos no caminho certo para dar a volta por cima.

     O Flamengo constantemente vem apresentando sinais de que a fase crítica em que foi encontrado ficou para trás. A que você atribui os resultados obtidos ao longo do ano?

    Eu gostaria muito de poder dizer que a fase critica ficou pra trás. Ela ainda não ficou pra trás. As coisas foram melhorando. Sabemos que estamos no caminho certo, mas a situação ainda é muito difícil e não dá pra relaxar. Futebol tem 90 minutos, e nós ainda estamos aos 5 ou 10 do primeiro tempo. Ainda tem muita coisa a ser feita, mas sabemos que o time está unido e estamos jogando com a raça que caracteriza o Flamengo. Temos um grupo de pessoas altamente competentes, bem intencionadas, trabalhando desinteressadamente pelo Flamengo.

    Durante a campanha presidencial muito foi dito sobre o objetivo de modernização de métodos e práticas e o foco na gestão. A tão falada profissionalização. Já realizaram um balanço sobre as entregas de cada diretoria?

    Nós realizamos isso permanentemente, mas no final do ano é o momento propício para este tipo de avaliação, e isso está sendo feito. Nossa avaliação, de uma maneira geral, é a melhor possível. Além do time de vice-presidentes de alta categoria, nós conseguimos montar um time de executivos, diretores e gerentes remunerados de alta credibilidade que já têm apresentado um resultado muito bom.

    Você participa nas escolhas e diretrizes de todas as vice-presidências?

    Procuro dar o máximo de autonomia para cada vice-presidente, mas somos um grupo, e é natural que eu seja consultado. Então eu dou meus palpites também.

    IMG_3566Como foi lidar com a pressão da torcida diante dos altos preços dos ingressos com foco em liquidar dívidas?

    Foi positivo porque a resposta da torcida de uma maneira geral foi ótima. Eles entenderam. Para começar, lotaram o Maracanã. Esgotaram os ingressos em 3 dias. A torcida entendeu a importância dos jogos no Maracanã. Acredito que a grande maioria das pessoas resolveu comprar a nossa briga, e entendeu que era necessário que tivéssemos uma geração de caixa importante, não onerosa naquele momento para poder fazer face a todos os problemas que ainda estamos vivendo. Acho até que toda aquela violência que sofremos de invasão ao clube, e prisão do nosso diretor jurídico, serviu ainda mais para unir a torcida.

    Acreditava em um título em 2013?

    Eu sempre acredito! Entro em um campeonato e minha expectativa é ser campeão!

    Qual seu balanço ao término de um ano de gestão?

    Assim como sempre acredito que serei campeão, eu também sempre acredito que poderíamos fazer melhor. Acho que isso é um estímulo para que possamos melhorar. Já fizemos muitas coisas. Os resultados nas áreas administrativas e financeiras estão aí. Nós demos um passo muito grande para recuperar a credibilidade do Flamengo, recuperar a dignidade do clube e a auto estima da torcida. Sinto uma resposta muito boa de quando as pessoas me param na rua para falar sobre isso. Antes mesmo de ganharmos a Copa do Brasil, sempre fui abordado por torcedores das mais variadas classes sociais, para agradecer a mudança de perfil, da recuperação de credibilidade. Isso é muito importante para o torcedor. Saber que o time dele é respeitado e isso é uma vitória. Acabou que tivemos uma vitória muito grande também no futebol que foi a conquista da Copa do Brasil. Não só apresentamos um bom futebol. Mostramos um time com entrega, determinação e com a raça que caracteriza o Flamengo.

    O que esperar para 2014?

    Podem esperar a continuidade dessa determinação, desse trabalho com muita entrega, tanto fora de campo em nossa administração, como dentro de campo. Principalmente com a vinda do Jayme para o Flamengo, os jogadores entenderam o que é ser Flamengo, o que é jogar pelo Flamengo. Eu fiquei muito emocionado naquela final em que a gente praticamente não perdeu bola dividida. Eu assisti a geração de Zico, Leandro, Junior, Adilio, Tita, Nunes, Raul, Mozer, que eram jogadores altamente técnicos. Hoje vemos um time que tem alguns jogadores técnicos, mas podemos ver jogadores que superam as limitações com muita garra, e isso a torcida gosta muito.

     

    Confira o “Bate Bola” com o Presidente Bandeira de Mello:

     

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.