NA WEB
    Google+

    Sombra e água fresca

    Fla passeia no Carioqueta

    Por em janeiro 30, 2014

    Captura de Tela 2014-01-30 às 14.53.03Questões práticas primeiro, antes que me perca em meus habituais devaneios. O Estádio Eduardo Guinle tem sim condições de receber os jogos contra os times grandes.  Bom não é, confortável não é, seguro…

    Sei lá.

    De qualquer forma como a dupla em questão aqui não é Copa do Mundo e Padrão FIFA, e sim Carioqueta e Padrão FERJ, o campo do Friburguense, pelo menos do ponto de vista do tio aqui, frequentador de estádios desde a mais tenra idade, não fica devendo nada aos demais estádios nanicos/precários que desde sempre são utilizados no Estadual.

    Dito isso, vamos à fuleiragem

    A mesma já começou cedo, devido ao horário nada amigo do trabalhador em que foi realizada a partida. Por volta de meia hora após os ponteiros do relógio apontarem de comum acordo para o número 12, 16 Peregrinos do Carioqueta já abandonavam seus afazeres menos importantes do cotidiano para se dirigirem à aprazível cidade serrana de Friburgo.

    Embora ainda aprazível, a região serrana não está imune ao caos térmico interminável que se abate sobre nossa cidade, estado, país, planeta. Sem essa de clima de montanha. Calor monstro por lá. Um sol pra cada um. Provavelmente só vou mudar de opinião na quarta que vem, quando estiver torrando os miolos sob o inclemente sol de Bangu.

    Ao entrarmos no estádio (sem tumulto algum, é bom que se diga), fomos recebidos por um luxuoso e gastronomicamente imbatível espetinho de gato. Coisa da melhor qualidade e que deixa no chinelo os pasteurizados lanchinhos das Arenas Fifenses.

    Depois de satisfeitos, o feitiço virou contra o feiticeiro e nós mesmos assumimos a condição de churrasquinho. Carvão no espeto dos outros é refresco. Mais quente ainda o clima estava diante das mui belas mulheres presentes ao jogo. Uma cidade serrana, sem lá muita coisa pra fazer, e com uma loja de lingerie em cada esquina, só podia mesmo gerar essa qualidade de habitantes femininas. Recomendo.

    Tanto que lá no meu Instagram, aonde sou Mercio Querido, postei a foto de uma das musas como o melhor lance da primeira etapa antes da parada para o Tempo Térmico, quero dizer, Técnico. Aliás, queria defender nossos atletas, que se arrastaram em campo na primeira metade do jogo. Não importa aquele blá, blá, blá de que eles ganham bem e coisa e tal. Parado na arquibancada já tava brabo de aturar, imagina correndo?

    Muitos erros, muitos passes laterais, mais ainda para a lateral que estava na sombra. De bom mesmo, uns poucos lances e o gol do Samir Erazo.

    Lá pelo meio do segundo tempo saíram o sol e sei lá mais quem para dar lugar a AlecGol, Gabriel e a Sombra. Com isso, tudo melhorou e o Flamengo partiu pra dentro pressionando o traumatizado Friburguense, que no jogo anterior havia sido massacrado e levado uma goleada de seis para um time da segunda divisão.

    Golaço do Elano e o melhor… Boa participação do Gabriel que nos dois últimos jogos agradou mais que em toda a temporada de 2013. Para analisar pelos caminhos sem imaginação do lugar-comum, a 10 devia estar pesando no franzino rapaz.

    Com o resultado, nosso Flamengo fica lá na Sombra e Água Fresca da primeira colocação. Fez o que tinha que ser feito. Foi lá e ganhou os três pontos. Gente chata reclamando que o Vasco ganhou deles de seis. Dane-se. A goleada valeu três pontos iguais aos que conquistamos.

     

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.