Google+

Não me abandona, Vasco

Sem essa de botafoguizar

Por em abril 15, 2014

Arbitragem péssima nos dois jogos. Fato. Marcações erradas aqui e acolá em pequena parte dos 180 minutos que contaram a história da Final do Carioca de 2014. E só foi em pequena parte porque a bola ficou parada por muito e muito tempo nos dois jogos.

No final, bem no final mesmo, a história se repetiu e deu Flamengo. Dessa vez com requintes de crueldade. Com os deuses (ou seriam demônios?) do futebol deixando a torcida do Vasco acreditar por breves minutos que o pesadelo, iniciado com o gol do Cocada em 1988, finalmente chegaria ao fim.

O erro derradeiro da arbitragem no Carioca não poderia acontecer em hora mais simbólica. No final do último jogo da Final.Em um clássico de imensa rivalidade e já marcado por várias reviravoltas de fim de partida. Um erro pra assinar embaixo e deixar bem claro que tais erros são sim parte integrante e inalienável do Carioqueta.

E olha que o erro nem foi dos piores. Nada de impedimento escandaloso. Lance difícil e tão perdoável que nem os jogadores do Vasco reclamaram no momento do lance.

flamengo-vasco

Poucos minutos depois, o mundo tecnológico informou pra todo mundo que Márcio Araújo estava em posição irregular.

Começava então a choradeira que me deixa um tanto quanto preocupado com o Nosso Maior Rival. Único outro time grande que restou na Cidade Maravilhosa.

Erros do juiz acontecem mesmo. Reclamar por causa deles até faz parte. Uma, duas vezes. O que não vale mesmo é hastear isso como bandeira única de argumento para uma derrota.

A gente até entende o desespero que deve ser ficar tanto tempo sem vencer uma Final sobre o maior Rival. E não vai aqui, juro pelo Flamengo, nenhum tipo de deboche.

Mas passou. O Vasco TEM a obrigação de ser maior que um erro de arbitragem em final do Carioqueta.  Mesmo porque há coisa muito mais urgente para ser pensada em 2014.

O Rio já foi cidade de quatro grandes. Nessa época, eu pensava em como devia ser chato morar em lugares como BH ou Porto Alegre, com aquela mesmice de ter só dois times grandes.

dinamite revolta

O Botafogo vai ficando cada vez mais Botafogo, o Fluminense se perdeu em seus devaneios de participar de divisões do futebol as quais não pertence, e em atividades forenses alheias ao mundo da bola. Sobraram Flamengo e Vasco.

Li opinião de um dos vascaínos que respeito muito, uma crítica sobre a comemoração exagerada da Nação por um campeonato que esnobamos enquanto flertamos com a Libertadores.

Não, meu amigo cruzmaltino, nós realmente não nos importamos com o Carioqueta. Esse é um campeonato que já morreu e esqueceu-se de deitar. Tanto que a edição desse ano começou a ficar interessante aos 30 minutos do segundo tempo da Final.

Aqueles 15 eletrizantes minutos finais tratavam de assunto mais importante. E para ambos os lados. Era a nossa mítica e (esperamos) eterna rivalidade que comandava as ações naquele momento. Pura e simplesmente.  Uma rivalidade tão forte que deu ares de Final de Copa para um jogo do Carioca.

E isso só aconteceu porque nós AINDA respeitamos vocês. Não estraguem isso. Não se botafoguizem. Por favor.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.