NA WEB
    Google+

    03/38 Renascimento

    Começar de novo e (quem sabe?) contar contigo

    Por em maio 4, 2014

    oie_4151743IHa2gRuZ

    No episódio anterior… Fomos convidados para uma festa. A da Fiel Corinthiana para as solenes despedidas do Pacaembu. Educados que somos, time e torcida, nos comportamos bem em nossos papéis coadjuvantes. Bem… Em campo fomos educados em não acrescentar água ao chopp alvinegro.

    Na arquiba, para não sairmos de lá zerados, os membros de algumas das nossas “organizadas” resolveram sair no tapa ao fim das comemorações. Dizem as más línguas que o motivo da briga teria sido uma disputa pra ver quem conseguia ser mais prejuducial ao time. Pelo visto a peleja terminou empatada.

    Para o episódio 3 da nossa saga rumo… Bem… O roteiro da série é meio enigmático ainda nesse ponto. Em uma sacada genial do roteirista, cada núcleo de personagens acredita ser sobre uma coisa. Gente acreditando que trata de uma fuga do rebaixamento, gente acreditando que é sobre uma perseguição à Pedra Mística do G4, outros apostando que a série não vai decolar e ficará na mediocridade de meio de tabela.

    Ah… Tem também o núcleo de maior devaneio. Um núcleo de personagens azuis cuja empáfia julga que o tema da série é sobre a conquista da Uefa Champions League por um time brasileiro.

    Fato é que, limitando-nos ao que a trama mostra no momento, uma reviravolta colocou o nosso Flamengo, de sofrível início de campeonato, com uma sequência bem interessante de partidas em casa pela frente. E em casa no Rio de Janeiro, coisa que parecia bastante improvável quando do primeiro episódio, gravado inteiramente em Brasília.

    Renascem então as esperanças em uma campanha digna do nosso Manto Sagrado. Símbolo desse renascimento é Nixon, sai do ostracismo em que se encontrava, faz boa participação no jogo em Sampa e, segundo ele, participações ainda melhores nos treinamentos, para alcançar a condição de titular em jogo em que Tio Jayme PARECE, vai finalmente mandar esse time pra cima do adversário.

    Nesse episódio do jogo contra o Palmeiras talvez, mas muito talvez, tenhamos a participação especial da Nação Rio. Pouco provável, já que tem tomado o hábito de só ir na boa. Por exemplo: na fase de venda dos pacotes para a Libertadores desse ano, mais de 20.000 trios de ingressos foram vendidos. Para esse jogo de hoje, li em algum lugar que ainda não tava rolando nem 10.000 na pré – venda. O mimimi dos preços, pelo menos para esse jogo e para os ST, não cola. Trinta pratas (ou até mesmo 15) e no começo do mês.

    Bem… Enquanto crítico dessa série, confesso que já desisti desse personagem. A Nação Rio é previsível e enfadonha. Se o Flamengo ganhar uns três jogos seguidos todo mundo aparece. Aí tempo, dinheiro e qualidade do elenco não serão mais problema.

    Personagem que interessa MESMO é o Flamengo. Nesse eu ainda acredito. Vai Flamengo. Hora da Renascença. Que ela realmente comece na tarde de hoje. E que seja eterna enquanto dure. (perdão pelo clichê).

    No próximo episódio… #DezenoveContraUm … o jogo contra um time fantasma. Uma assombração pertencente a outra dimensão, quero dizer, outra divisão, que teima em arrastar suas correntes e frufrus pela elite do futebol brasileiro.

     

    Leia também:

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.