30 dias sem ele

Alô, Nação Rubro-Negra… Tá todo mundo aí? Cri… Cri… Cri… Cri…

oie_lTLnCxmbRQUW

Ok… Todo mundo ainda curtindo aquela ressaca de réveillon. Até mesmo quem não bebe, posto que essa data simbólica da virada do ano, que geralmente não muda porra nenhuma na vida de ninguém, tem mesmo o efeito colateral de nos deixar exaustos.

Eu ia curtir também essa ressaquinha básica. Confesso inclusive que ingeri certa quantidade de álcool. Só que quando os relógios soaram meia-noite e dez segundos meu celular vibrou. Mensagem do editor do FDF. “Pô, simpática a atitude de desejar um bom 2015 para os escribas”, pensei. Abri a mensagem com os olhos já marejados de emoção. Tava lá…

COMO É? NÃO TRABALHA MAIS NÃO, PORRA? UM MÊS PRO CARIOQUETA.

Foi tipo um engov moral. Levantei antes das nove, tomei uma caipirinha, peguei o celular e estou de volta à labuta. Quando acaba o Brasileirão 2015 mesmo?

Enfim… Sei lá se isso é bom ou ruim, mas o editor tem razão. Faltam 30 dias para que o Flamengo entre em campo para a primeira das competições oficiais do ano. Será em Macaé contra a agremiação local. Provavelmente os termômetros estarão marcando uns cinquentinha, com sensação térmica de recanto mais abafado do inferno.

Com nossa pré-temporada itinerante, passando pela aprazível Atibaia (não que eu já tenha ido lá, mas se volta e meia o povo vai até lá treinar, o treco deve ser bom), pela não-aprazível Brasília, e se não me engano por Manaus, teremos alguns amistosos pelo caminho.

Um deles fará a alegria dos nerds de plantão. Dia 18 de janeiro tem jogo no Mané Garrincha (tô fora) contra o Shakhtar Donetsk da Ucrânia. O tipo de confronto alucinado que só parece (ou parecia) possível nos amistosos de pré-temporada da Master Liga do PES. Tô até pensando em assistir esse com o controle do Playstation em mãos.

Até lá a gente tem mesmo é que ficar catando informações aqui e ali (aqui, no FDF é bem mais prático e seguro) sobre o andamento dos treinos e como os atletas que acabaram de chegar estão começando os trabalhos.

Tem um povo de saída, né? Dos nomes que ouvi falar não gostei muito de ter perdido o Chicão. Fora ele, parece que tem uma molecada, a tal prata da casa, exposta na prateleira para ser usada em possíveis negociações. Isso me faz pensar que talvez a expressão “prata da casa” esteja ficando cada vez mais deslocada no tempo.

Para os atletas que chegam… Boas vindas e espero que o Manto não pese mais do que deve em nenhum de vocês. Se querem uma dica, toma aí. Se mostrar dedicação em campo a gente fica bastante satisfeito lá na arquiba. Se mostrar muita dedicação, aí a gente aplaude até se cobrar lateral errado.

Enfim… Quem vai, vai. Quem fica, fica. Quem chega, chega. Quem sempre esteve e sempre vai ficar somos nós, a Nação Rubro-Negra, que no fundo é o que mais importa.

Atenciosamente e de volta ao trabalho,

Sorin.

@sorinmercio lá pelo Twitter, minha casa, é só chegar.

 

CURTAS

ENTÃO TÁ. O jogo contra o Shakhtar Donetsk é por um torneio que só eles participam. Explico: o torneio é entre Goiás, Gama, Shakhtar e Zalgiris (da Lituânia). Os ucranianos aceitaram o convite… mas vão jogar mesmo (por exigência própria) é contra o Flamengo e o Cruzeiro. Esses dois não disputam o troféu. Simples como aprender ucraniano.

DESRESPEITO. Seguem os impropérios mil de desafetos do Léo Moura nas redes sociais, por conta de mais uma renovação do contrato. Fora discordar da falta de respeito, sinceramente, não vejo esse horror todo em campo que o povo vê.

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.