NA WEB
    Google+

    Incentivando o turismo nos 450 anos do Rio

    Por em fevereiro 26, 2015

    Começou a saga do Flamengo na Copa do Brasil, após a infeliz eliminação na competição do ano passado. Pela frente, temos o esforçado Brasil de Pelotas, que inclusive gerou uma certa mobilização nos momentos que antecederam a partida, onde foram feitos comentários alertando sobre o desempenho deles no campeonato gaúcho, o que incluía uma vitória contra o Grêmio na casa do adversário.

    Falando rapidamente de uma curiosidade, foi engraçado ver como independente do canal que tentava assistir todos insistiam em falar sobre “o dia em que o Brasil de Pelotas venceu o Flamengo”, em uma época onde eu ainda nem era nascido. É impressionante como um feito para o Flamengo é ser campeão, enquanto para os outros times é vencer o Flamengo.

    Flamengo-Brasil-RS-Brasil-AguiarRaw-ImageLANCEPress_LANIMA20150226_0029_1Quando chegou a hora da partida, vimos um estádio pequeno, mas com um clima hostil de caldeirão. Porém isso nem me surpreendeu muito não. O que me chamou a atenção foi o fato do Flamengo ter se deixado levar por essa atmosfera e ter sentido a pressão dentro de campo.

    Colocando cada coisa em seu devido o lugar já no primeiro ataque do maior rubro-negro que existe, o quase-gol do Alecsandro deu uma acalmada no jogo e calou a arquibancada, que por sua vez se manteve por um bom tempo apenas com o som da banda. Falando desse lance, bem que o Alecgol podia ter marcado, né? Mas ok… vamos dar o mérito ao zagueiro que conseguiu evitar.

    Após nova pressão do Brasil de Pelotas, o Paulo Victor iniciou uma jogada meio esquisita que resultou no ataque certeiro para o Alecsandro ter nova oportunidade de marcar. Dessa vez, depois de uma falha da zaga, ele cruelmente mandou pro fundo da rede.

    A partir daí então parecia questão de tempo pro Mengão marcar de novo e eliminar o jogo de volta. Até que realmente chegou o segundo gol, mas só aos 29 minutos do segundo tempo. Aproveitando a sobra da cobrança de falta feita pelo Arthur Maia, o Pará mandou um chute surpreendente de primeira de fora da área.

    Mas já que estamos no ano de comemoração dos 450 anos do Rio de Janeiro, o Flamengo resolveu contribuir com os eventos da cidade e principalmente o turismo, deixando que o adversário pudesse visitar o Maraca. Já nos acréscimos, os caras arrumaram uma falta para fazer o gol da sobrevivência na Copa do Brasil.

    Flamengo-Brasil-RS-Brasil-AguiarRaw-ImageLANCEPress_LANIMA20150226_0022_1

    Tá, eu sei que não foi falta. Concordo com o Luxa. Mas na boa, me recuso a ficar reclamando disso. Bola pra frente… que essa história então tenha um final feliz no dia 18 de março. Dessa vez, a pressão vai ser muito maior só que pro lado oposto, e aí que a gente resolva em casa no melhor estilo do Flamengo em campo e com a maior torcida do mundo na arquibancada. Lembrando sempre que a vantagem na disputa é nossa e a obrigação de seguir em frente na competição também.

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.