NA WEB
    Google+

    Flamengo dá ‘nó aquático’ no Vasco

    Por em março 23, 2015

    Depois de quase um ano sem se enfrentar no principal palco do futebol carioca, Flamengo e Vasco fizeram um jogo emocionante e debaixo de um verdadeiro dilúvio, o resultado continuou como o de sempre: vitória do Mais Querido por 2 x 1, com dois gols de Alecsandro.

    O time no primeiro tempo foi escalado com o mesmo esquema que Luxemburgo vem insistindo nos últimos jogos. O 4-3-3, com três volantes no meio. Como já tive a oportunidade de escrever por aqui, este sistema deixa o time sem compactação, fazendo com que a chegada ao ataque seja feito de maneira improvisada, na base de chutões.

    oie_dr57foSERWMN chuva flamengo vasco

    Com o temporal que desabou na cidade do Rio de Janeiro, o gramado do Maracanã transformou-se em uma verdadeira piscina e o Flamengo acabou marcando primeiro em falha bizarra do goleiro Martin Silva e do zagueiro Rodrigo. Após o lance do gol, o jogo foi paralisado e ficou interrompido por quase uma hora, tempo necessário para a drenagem fazer valer o investimento bilionário para a Copa do Mundo e escoar toda o volume acumulado de água.

    Após o reinício do jogo, o time do Vasco voltou mais aceso e ensaiando uma pressão, que acabou dando certo em lance de bola parada, depois de um escanteio cedido de forma infantil por Anderson Pico.

    No intervalo, Luxa resolveu apostar no retorno de Éverton, que em dez segundo em campo mostrou a que veio ao dar uma arrancada pela esquerda, caneta no lateral adversário e sofrer falta não marcada pelo árbitro. Com essa mexida, o esquema passou a funcionar (já disse por aqui também, que acredito que o esquema com 3 volantes só funciona com Éverton em campo), uma vez que com o novo posicionamento em campo do time, ficamos mais equilibrados, com velocidade e as peças melhores distribuídas em campo.

    oie_c6UPXkFvqeX9

    Éverton pela esquerda e Márcio Araújo pela direita, fazendo a bola chegar com melhor qualidade na frente, com Alecsandro centralizado e Marcelo Cirino se movimentando, principalmente pela esquerda. Essa mesma movimentação deu origem ao pênalti, convertido por Alecsandro.

    Depois, com a entrada de Paulinho, o time conseguiu explorar a sua melhor arma, o contra-ataque rápido. Com a confusão formada quase no final do jogo, quatro expulsões (Pico e Paulinho, pelo lado rubro negro) acabaram por jogar um balde de água fria (se é que era possível mais água em campo) no esquema de Luxa e a defesa se virou como pode na pressão final dos vascaínos.

    oie_6hSruOQxKdz7

    Atuações

    Paulo Victor: Boa atuação, com duas belas defesas e sem culpa no gol. Nota 7,5
    Pará: Firme na marcação e sem apoiar muito, não comprometeu. Algumas vezes apareceu pelo meio, embolando um pouco o jogo. Nota 6,0
    Bressan: Fez uma boa partida, jogando com seriedade e sem dar chance ao azar. Nota 7,0
    Wallace: Um pouco abaixo do que pode apresentar, deu alguns vacilos durante o jogo que quase resultaram em gol do adversário. Nota 5,0
    Anderson Pico: Sem apresentar bom futebol, acabou cedendo um escanteio infantil ao adversário, que resultou em gol. Sobrou disposição e faltou futebol. Foi expulso, após agressão em Bernardo. Nota 3,5
    Jonas: Machucou-se logo no começo. Sem nota
    Cáceres: Entrou e conseguiu se virar na marcação, apesar de sua irritante falta de velocidade. Nota 5,0
    Canteros: Boa partida do argentino, com duas chances de marcar. Fez uma excelente jogada no segundo tempo que quase resultou em gol de Marcelo Cirino. Nota 7,0
    Márcio Araújo: Primeiro tempo ruim, crescendo de produção no segundo tempo quando foi posicionado pelo lado direito de campo. Nota 6,0
    Gabriel: Mal foi notado em campo e substituído no intervalo. Nota 3,0
    Éverton: Entrou e já foi mostrando a que veio. Velocidade e participação constante, formando uma dupla entrosada com Cirino: Nota 7,5
    Marcelo Cirino: Novamente uma boa partida, principalmente no segundo tempo. Nota 8,0
    Alecsandro: Aproveitou falha do adversário e com precisão fez o primeiro gol. Marcou o segundo de pênalti e saiu de campo como principal jogador do clássico. Nota 9,0
    Paulinho: Entrou, deu velocidade no contra-ataque, mas acabou expulso depois de falta em Bernardo e dar início à confusão generalizada. Nota 5,0
    Vanderlei Luxemburgo: Começou novamente com 3 volantes e deixando o time muito espaçado. Consertou a formação no intervalo e saiu com a vitória. Nota 6,5
    Torcida: Compareceu em peso, fez uma bonita festa, aguentou o temporal e foi recompensada com uma vitória. Nota 10

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.