Google+

Flamengo x Lusa: Feijão com arroz

Por em março 11, 2017

Após o banquete emocional da última quarta, uma noite de sonhos com uma estreia do time e uma festa da Nação mais que suficientes pra inflar nosso otimismo, que afinal de contas nem precisa de tanto estímulo assim, e cria cenários futuros paradisíacos ou apocalípticos com a maior facilidade dependendo do resultado da última partida, hoje é dia de encarar aquele feijão com arroz requentado do Carioqueta.

Enquanto nosso New Cafofo da Ilha não fica pronto, é mais uma vez Volta Redonda o cenário. A estreia do Flamengo na Taça Rio que, dada a nossa consistente campanha, não serve para muita coisa na prática além de levantar uma Taça na Final (a Smurfada tá precisando e muito) e gritar um “É Campeão…” meio flácido e com sorriso amarelo, que não há de ecoar por mais que um punhado de minutos. Porém… Se a batalha que se apresenta é essa, que seja essa então. Bora lutar pra conquistar o treco, já que além da concorrência ser fraca, e sem querer ser redundante e/ou nostálgico pela noite de quarta, “Isso aqui é Flamengo”.

Uma pena não poder ser o jogo inaugural dessa nossa nova passagem pela Ilha, já que os adversários são justamente os nossos parceiros na empreitada de povoar com muita gente e muita festa o estádio que não teve lá um passado recente dos mais coloridos e festivos.

Zé Ricardo optou e muito bem por levar o time reserva. Quarta já tem jogo outra vez pela Libertadores, e da mesma forma que a Nação proferiu orgulhosa em seu mosaico a ostentação do “Isso aqui é”, a competição também é de importância enorme e não pode dar nem meio mole. Acionar o Modo Estadual por míseros 10 minutos pode ser fatal. Não vi, mas deve ter sido esse o caso lá na Arena da Baixada, quando o Atlético-PR cedeu o empate nos últimos minutos de jogo após abrir vantagem de dois gols. O melhor a fazer é o povo chegar lá descansado. Afinal… “Isso aqui é Libertadores”.

A utilização do banco também é excelente pros reservas. Além de ganharem um pouco daquele tradicional ritmo de jogo, podem mostrar um pouco de serviço pro Tio Zé. Digo um pouco, porque do lado de lá as coisas não vão nada bem. A Portuguesa, nosso fechamento, passeou bem na fase preliminar do Carioqueta e conseguiu a vaga para participar da parte de verdade da competição com folgas… Daí em diante foi só tragédia. Com apenas dois pontos conquistados em dois empates e três derrotas, tem a segunda pior campanha.

Um híbrido de titular e reserva, ainda em fase de descobertas tanto pra ele quanto pra nós, Berrío viajou e deve ser aproveitado em algum momento da partida, ainda que seja uma arma forte nossa no jogo da próxima quarta. Mas ok. Aparentemente disposição não é exatamente um problema para o colombiano. E Gabriel, hein? Após mitar na sua participação contra o San Lorenzo, vai para a sua oportunidade de 6587 com o Manto. E o que fez não é exatamente uma novidade. Não lembro qual, mas teve um Brasileirão qualquer desses que o baianinho sempre entrava bem na segunda etapa. Se voltar a fazer isso já tá é muito bom.

Bom feijão com arroz pra vocês. Quarta tem mais jantar refinado.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.