Google+

Flamengo tem ambiente destruído, cartolas sem rumo, racha entre jogadores e técnico sem apoio

Por em novembro 17, 2017
flamengo

O ambiente não poderia ser pior no Flamengo. O comando do futebol está fragilizado ao extremo, sem rumo, e com parte do elenco pouco empenhado em fazer o que deles espera o treinador. Há até quem tema que Reinaldo Rueda faça como Mano Menezes em 2013, e repentinamente peça demissão. Sério, o técnico não parece ter mais o que fazer para que o time seja minimamente competitivo na reta final da temporada, isso com uma taça e a vaga na Libertadores ainda em jogo.

Há jogadores que falam com pessoas próximas sobre dificuldades para compreender precisamente o que deles espera Rueda. Na derrota para o Coritiba por 1 a 0, o colombiano gritou e gesticulou em vão à beira do gramado. Há quem alegue sentir a mudança da preparação física, que passou a ser feita pelo compatriota do técnico Carlos Eduardo Velasco — o auxiliar é Bernardo Redín. Os três trabalhavam juntos no Atlético Nacional.

“Parte mental difícil de explicar”, Reinaldo Rueda, após Coritiba 1 x 0 Flamengo

utros atletas se queixam da armação do time. Márcio Araujo e Arão costumam ser vistos juntos, mas isolados do restante. Alguns costumeiramente substituídos na Série A, como René (quatro vezes), Geuvânio (cinco) e Rômulo (duas), se sentiram em alguns momentos responsabilizados por más atuações, ao saírem do campo ante os olhares que entenderam como de reprovação do treinador.

A escolha de Reinado Rueda ao eleger Pará como capitão não foi bem recebida. Nas ausências de Réver, Juan e Diego, o camisa 21 ganhou a braçadeira, mas não convenceu seus colegas, pela falta de perfil, de liderança, seja lá de que tipo, por parte do lateral-direito. Para muitos, Diego Alves seria a opção natural. Além disso a idade média elevada do time na maioria dos jogos gera discussões.

flamengo

Já a presença no vestiário do CEO Fred Luz e do presidente Eduardo Bandeira de Mello não agrada à maioria. Especialmente com os cartolas acompanhando momentos mais íntimos do grupo, como a corrente, a oração pré-jogo, esperando na saída do vestiário, etc (vídeo abaixo). Os dois dirigentes apostaram todas as fichas no trabalho do hoje pressionadíssimo Rodrigo Caetano e, sem saber o que fazer, a dupla agora apenas torce para que algo mude.

Jogadores fazem comparações entre o time de Reinaldo Rueda e seu antecessor. Há quem diga que o Flamengo perdeu rendimento e que faltam informações. “O Zé Ricardo era muito bom, só que ele é novo, cometeu muitos erros por que ele é novo. A gente estava cheio de informação, tínhamos muitas situações de gol, a gente criava. Hoje vejo um time sem ideais”, desabafou um deles.

É evidente o descontentamento de parte do elenco. O desempenho em campo confirma a falta de sintonia entre o que é pedido e o executado. Isso num cenário que tem de um lado a comissão técnica colombiana, do outro a brasileira. Rueda não se conforma com a fragilidade mental da equipe e automaticamente questiona o trabalho do coordenador de psicologia, Fernando Gonçalves, um dos mais controversos personagens desse Flamengo à deriva.

Fred Luz cuida de processos, da rotina. Embora por perto na maioria das vezes, mesmo sendo chefe de Rodrigo Caetano na hierarquia do clube, o CEO costuma apenas acatar as decisões do Diretor Executivo, erre ou acerte. Já o presidente, que se agarrou à ideia de que bastaria dar sequência ao trabalho (vídeo abaixo, gravado em maio) para que tudo desse certo, sofre pressões, fica politicamente cada vez mais isolado e nitidamente não tem ideia do que fazer.

Há seis meses, quando disse que nada mudaria, Bandeira de Mello perdeu a chance de ajustar rumos fazendo cobranças, identificando erros e dispensando atletas sem condições de seguir nesse Flamengo 2017 com ambições mais elevadas. Hoje vê Caetano de um lado, parte do elenco de outro, uma ala de jogadores num canto, garotos da base no outro e os colombianos Cuellar e Berrío em mais outro, com os argentinos Mancuello e Conca encostados e pensando no adeus.

Mozer, cuja função é estar perto do elenco e, entre outras ações, contornar problemas, está isolado. Cenário que ainda conta com o (até aqui) observador vice de futebol Ricardo Lomba, há menos de seis semanas na função e de quem se espera medidas efetivas. No meio disso tudo, Reinaldo Rueda. Dar instruções não é o bastante. A questão não é só técnica ou tática, falta o básico, organização e união. Pelo jeito o contrataram sem saber bem qual seu estilo, sem ter convicção. Até onde o colombiano vai desejar seguir em meio a tamanho furdúncio?

O Flamengo é um avião em pane, sofrendo em pleno voo, e ninguém dentro dele dá sinais de que saiba como aterrizar. Mesmo que consigam, em terra firme não parece existir um mecânico capaz de fazer reparos necessários. Desastrosa crise.

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *