Google+

Flamengo tem tempos distintos e bomba de Rhodolfo em Brasília

Por em fevereiro 5, 2018

Tá perdoado.

A escalação inicial do Carpegiani derrubou um monte de texto de pré-jogo, inclusive o daqui do Boteco.

Na época do Profe Rueda, a mania de treinar uma coisa lá no CT e jogar outra na hora da bola rolar chegava a irritar. Não foi o caso nesse domingo. Com a vaga na semifinal já garantida, nosso técnico decidiu abrir o laboratório e fazer alguns testes de olho em toda a temporada que temos pela frente.

Na dúvida sobre qual seria a dupla de volantes… A principal surpresa. Cuéllar era o único de ofício em campo na hora que a bola rolou. Se por um lado vira um teste ameno, tendo em vista que ele não jogará as duas primeiras partidas da Libertadores, por outro lado derruba uma quase oficial e estatutária obrigação dos últimos tempos de atuar com dois volantes. Aqui no Boteco sempre fomos defensores de que “não precisa tanto” em muitas oportunidades. Principalmente contra a nanicada do Carioqueta. Fora isso, a formação um pouco mais agressiva, mesmo contra adversários mais fortes, vez por outra pode pintar como necessidade de jogo na hora de buscar aquele golzinho salvador dependendo da circunstância.

Teve aquela possibilidade aventada no decorrer da semana do Everton jogar na lateral e que acabou não rolando. Realmente essa posição anda meio esquisita. Virou o reino do desempenho mais ou menos com qualquer um dos quatro que entrem em campo. Seria a hora de fazer uma aposta e recorrer à base? Bem… Na época que o Jorge subiu pro time principal, só aconteceu porque uma maldição se abateu sobre a lateral e o garoto acabou virando a única opção. Talvez fosse a hora de dar um empurrãozinho no destino.

Da galera que entrou em campo voltando da pré-temporada, Everton Ribeiro mandou bem e renova nossas esperanças de que ele acabe mostrando em 2018 pelo menos 70% de tudo que se esperava quando da sua contratação.

Foram dois tempos diferentes. Um primeiro mais eficiente, mas ainda sofrendo da síndrome de arame liso que pintou em muitos momentos de 2017, e uma segunda etapa mais bagunçada, que o próprio Carpegiani definiu com um “realmente não aconteceu”.

Sábado tem Ceifador em campo. Ainda bem. Porque em muitos momentos no Mané Garrincha o que faltou foi isso mesmo. Uma referência lá na área. Um cara pra empurrar a bola para as redes. Lincoln já mostrou que tem potencial, mas ainda precisamos de um pouco de paciência até ele vingar. Como não tinha outra opção, em algum momento do segundo tempo ficamos sem um centroavante de ofício e até Diego Ribas apareceu como “falso 9”. Honrou a expressão. Foi realmente muito falso na função. Eh, eh, eh…

Já que ninguém resolvia, Rhodolfo perdeu a paciência e acertou uma bomba lá do meio da rua para definir mais três pontos na conta do Mengão. Cinco acima da pontuação do Bangu, segundo no grupo.

Agora é aguardar o Botafogo. Sábado quatro e meia da tarde ainda sem local definido. Depende só da FFERJ, do Botafogo e da polícia. Bem… A história fez a parte dela com antecedência. Dá pra dizer que as datas dos carnavais foram programadas em 325 DC, quando a Igreja organizou a Páscoa. 1593 anos depois, o Carioqueta ainda é pego de surpresa quando pinta Clássico em meio à Folia Momesca.

Bora torcer.

Isso aqui é Flamengo.

PETISCOS

. TÁ VALENDO. Apesar do público fraco, a renda foi de quase 700 mil. O Laranjão da Baixada embolsou 300 e, se a “Odebrecht” de lá não é tão gulosa quanto a daqui, os organizadores acabaram faturando algum. Com o mesmo público no Maracanã, mesmo se o mando fosse do Flamengo, era prejuízo na certa.

. DUVIDO MUITO. Com a paciência já preparada para a lenga-lenga eleitoral rubro-negra, pinta uma pequena ponta de esperança. Movimentações de bastidores dão conta de que Azuis e Verdes podem até se unir em torno de um nome. Só que tem tanta gente falando em coisas do tipo “servir ao Flamengo”, “acima dos interesses pessoais”, “deixar as vaidades de lado” e afins, que dá pra desconfiar. E muito.

. MINIATURA DO PAÍS. A gente sabe que a sopa de letrinhas partidária no país não faz o menor sentido. Pouca ideologia e muito interesse por trás de todas aquelas siglas. E não é que me deparei com uma lista citando nada mais nada menos que ONZE grupos rubro-negros.

MESA DA ARCOIRIZADA

. PINTOU O CAMPEÃO. O Vasco massacrou o Volta Redonda do Chile na quarta… E o Volta Redonda de Volta Redonda no domingo.

. AGENDA DO BULLYING.  O Botafogo sofreu costumeiro bullying do Souza Caveirão no sábado… E emendou o final de semana com deboches do Porta dos Fundos nas redes, após mais uma derrota alvinegra nos tribunais. Semana que vem tem mais.

. E NINGUÉM CALA. Abel segue cavando vaga no Botafogo e chorando dia sim e o outro também. Agora até o horário do jogo contra o Boavista na primeira rodada do Carioqueta “foi manipulado”. O mundo conspira contra a Nobreza do Laranjal.

. RUMO AO BI. Apesar de fora da semifinal da Taça GB, o Nova Iguaçu pode conquistar o bi do Quadrangular Extra da Taça Guanabara. Sim, isso existe. Inclusive pode até não existir, já que a competição é opcional e o povo só disputa se quiser. Coisas do Ferjão.

Colem nas redes, Urubus, UruBoas e Antis

https://twitter.com/sorinmercio

https://www.facebook.com/mercio.querido

https://www.facebook.com/BotecoDoFlamengo/

https://www.youtube.com/botecodoflamengo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.